Médico de Marcelo Rezende não tinha licença para trabalhar, diz Record TV

O “Domingo Espetacular” de hoje, dia 01/10, mostrou uma reportagem sobre Lair Ribeiro, o médico responsável pelo tratamento alternativo de Marcelo Rezende.

Segundo informações do UOL, Rezende trocou ligações e mensagens com o médico, até perto de sua morte.

A reportagem revelou que o jornalista, que morreu no dia 16 de setembro após não resistir a um câncer no pâncreas e fígado, manteve o tratamento com a médica Kátia Nakazone, embora ela tenha registro de ginecologia em Ribeirão Preto, para onde Marcelo ia às segundas-feiras em busca de cura.

De acordo com o programa, Lair Ribeiro não tem licença para clinicar ou dar consultas em São Paulo e por isso indicou uma de suas alunas, Kátia, para acompanhar Rezende durante todo o tratamento, dar suporte e outras orientações.

“Lair recebeu Marcelo no dia 13 de maio. Uma testemunha disse que ele deveria largar a quimioterapia e que até setembro, com a dieta cetogênica, estaria curado”, diz a reportagem.

O jornalista optou pelo tratamento após ser submetido a uma forte sessão de quimioterapia e informado que a chance de cura era menos de 1%. Didi, funcionária e braço direito de Rezende em casa há 14 anos, disse ao “Domingo Espetacular” que houve outro encontro.

“Primeiro a esposa do Lair esteve aqui e, depois do feriado de 7 de setembro, Marcelo recebeu o Lair. Eu que recebi ele na porta, levei ao quarto. Eles se falavam muito no telefone, com bastante frequência. O Marcelo ligava e ele (Lair) também”, revelou.

A emissora mostrou mensagens e ligações trocadas pelo ex-apresentador do “Cidade Alerta” com os dois profissionais: entre os dias 28 e 30 de agosto, Rezende e Lair se comunicaram pelo menos quatro vezes. No celular dele também constavam mensagens nas quais Kátia dizia que o tumor estava controlado e o incentivava a continuar o tratamento alternativo.

Em 19 de maio, ela pediu o endereço dele para “enviar um material que o Dr. Lair solicitou”. Em outro momento, Rezende pergunta se pode abrir as cápsulas e dissolver o pó na água, pois há “cápsulas duras como plástico de fazer sandália. Não há organismo que faça a digestão desse plástico de forma natural”, escreveu.

“No dia 11 de setembro ele passou a implorar por morfina, por causa das dores abdominais insuportáveis. O câncer tomou por completo o pâncreas, o fígado e avançou para o abdômen. Marcelo também tinha pneumonia e infecção na perna, quadro irreversível”, continua a reportagem.

Kátia não quis comentar o caso, mandou sua equipe recolher todos os medicamentos da casa quando o jornalista foi internado e telefonou para o filho dele, Diego, que estava na Argentina, dizendo que se Marcelo não tomasse o sono que tinham preparado, morreria em dois dias, afirma a reportagem.

Lair deu a seguinte declaração: “Apesar da extrema malignidade da doença, ele viveu quatro meses após o diagnóstico, informando sobre sua resiliência e seu estado de saúde nas redes sociais. Esclareço com isso que todas as informações que relacionam meu nome com esse caso são apenas especulações”.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...