Home > Economia > BanCryp e PagSeguro divulgam a PagCryp: maquininha que aceita cartão e Bitcoin

BanCryp e PagSeguro divulgam a PagCryp: maquininha que aceita cartão e Bitcoin

Vai passar no crédito, no débito ou em bitcoin? Já imaginou ouvir essa frase no dia a dia, durante a realização de algum pagamento? A ideia de que a criptomoeda seja implantada como um meio de pagamento nos lugares mais comuns do cotidiano pode parecer remota, mas é justamente essa a aposta do BanCryp, que nasceu para dar movimento e fazer com que as criptomoedas circulem, ganhem ainda mais confiança. Acontece que na terça (5), a empresa anunciou parceria com a Pag Seguro. Resultado? Pag Cryp, uma maquininha que aceita criptomoeda como forma de pagamento.

A aceitação do Bitcoin como uma forma de pagamento será sempre o objetivo principal dessa comunidade, e a Bancryp, tem se concentrado em expandir a adoção da criptomoeda no mercado brasileiro, principalmente em Florianópolis. Na região, já há até estabelecimentos que aceitam essa forma de pagamento.

Na Pag Cryp, o pagamento feito com Bitcoin é creditado em reais mesmo para o lojista, mas também dá para manter o saldo em Bitcoin. Vale lembrar que o serviço cobra uma taxa de 1% sem volatilidade. “Nosso objetivo sempre foi conquistar grandes parceiros, um movimento que só esperávamos em 2020, terminou acontecendo ainda este ano, estávamos e estamos falando com alguns grandes players de diversos setores e um dia surgiu a conversa com o Pagseguro”, conta o CEO da Bancryp, Elvis Lopes, durante entrevista ao site Cripto Fácil.

Imagem: Canal Tech

O CEO da Bancryp ainda revela que não alimentava esperanças em torno de uma resposta positiva, e ressalta a surpresa da parceria. “Quando recebemos a resposta positiva ficamos muito contentes não só pela Bancryp, mas pelo mercado, que conquistou a confiança de uma grande instituição, que se demonstrou, pelo menos na nossa percepção, estar preocupada com seu nível de excelência e em democratizar o acesso a diversos tipos de soluções que possam compor o seu ecossistema”, afirma. “Acreditamos que com as condições do setor, a chegada de empresas sérias e claro, o trabalho que fizemos em ter de desenvolver e investir em um negócio validado, operacional, focado no cliente, ajudou na decisão”, aproveita para acrescentar.

Elvis completa que a meta é implantar o mínimo de 25 mil maquininhas PagCryp, transacionando em média R$ 2,6 bilhões por ano entre Bitcoin, débito e crédito, e que não estão considerando novos parceiros, distribuidores, outras soluções de pagamentos e as integrações que estão realizando com pontos já implantados no Brasil, os quais serão anunciados em breve.

Fonte: Cripto Fácil

You may also like
Conheça o Pride Bank: Primeira fintech LGBT do mundo
Dólar fecha com uma das maiores cotações da história, confira
3 mil cartões são reenviados pela Nubank para garantir proteção de clientes
Cinco pessoas foram presas por roubar 85 máquinas de Bitcoins em armazém