Home > Notícias > Cannabis é liberado pela Anvisa para fins medicinais, confira

Cannabis é liberado pela Anvisa para fins medicinais, confira

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta terça-feira, 3, por unanimidade, a regulamentação do registro e da venda de medicamentos à base de cannabis em farmácias e drogarias no Brasil. A norma entrará em vigor em 3 meses e, de acordo com a agência, deve melhorar a vida de milhões de pacientes que precisam desses medicamentos.

Os diretores da agência começaram, ainda nesta manhã, uma segunda votação, que propoem a liberação do plantio da maconha no território brasileiro para uso medicinal.

A decisão cria uma nova classe de produtos no mercado de medicamentos do Brasil: a de produtos à base de cannabis, termo que vem sendo utilizado mundialmente. O proposta aprovada elenca os requisitos necessários para a regularização dos medicamentos à base de maconha no Brasil, estabelecendo parâmetros de qualidade.

A Resolução da Diretoria Colegiada (RCD) deverá passar por uma reavaliação em até três anos. De acordo com a proposta aprovada pela Anvisa, as empresas não devem abandonar as pesquisas de comprovação de eficácia e segurança das formulações, uma vez que as propostas para produtos à base de cannabis se parecem com os procedimentos dos medicamentos tradicionais.

O regulamento aprovado exige que a empresa interessada em fabricar medicamentos à base de maconha tenha autorizações de funcionamento específicas, além de certificado de boas práticas de fabricação emitido pela Anvisa.

A proposta aprovada prevê que os medicamentos à base de cannabis devem ser vendidos exclusivamente em farmácias ou drogarias, mediante a apresentação de receita médica. Os fabricantes que optarem por importar o substrato da cannabis para fabricação do produto deverão, de acordo com a Anvisa, realizar a importação da matéria prima semielaborada. Ou seja, a empresa não pode importar a planta ou parte dela.

Fonte: Terra

Imagem: Shuttestock

You may also like
Pela primeira vez Brasil tem possibilidade de perder direito de voto na ONU