Home > Ciência e Tecnologia > Pesquisa conclui que brasileiros são mais cautelosos quanto ao que compartilham na internet, confira

Pesquisa conclui que brasileiros são mais cautelosos quanto ao que compartilham na internet, confira


Quando o assunto é sua privacidade online, o consumidor brasileiro tem se virado bem: a conclusão está na pesquisa The Privacy Paradox (O paradoxo da privacidade) realizada pelo Here Technologies, uma empresa de mapeamento e localização, junto com a associação global para o setor de dados Esomar, a empresa de pesquisas BuzzBack Research e a Cint, plataforma que conecta consumidores a pesquisadores, agências e marcas.

A pesquisa ouviu dez mil consumidores nos EUA e mais Reino Unido, Austrália, Alemanha, Holanda, França, Brasil, Japão, China e Índia a respeito do uso de dados pessoais e seu compartilhamento.

Nove em cada dez pessoas têm ideia do valor associado aos dados que elas produzem na melhoria de serviços e produtos, e por esse motivo estão mais propensas a fornecê-los se for em benefício próprio, como aumento da segurança ou economia de dinheiro (no Brasil, esse percentual é de 36%).

De acordo com o gerente de Engenharia de Serviços de Privacidade da Here, Aleksandra Kovacevic, “mais consumidores estão dispostos a compartilhar suas informações se as empresas forem transparentes sobre o uso que fazem delas”. O brasileiro confirma: 32% disseram  que sabem o que empresas fazem com os dados de clientes (a média global é de 26%). No mundo, três em cada cinco consumidores perceberam uso indevido de seus dados nos últimos três anos.

Por esse motivo, 78% dos consumidores preferem não dividir seus dados pessoais via dispositivo digital, e 52% escolhem empresas que mostram como lidam com as informações que coletam. Ao se referir a aplicativos acessados diariamente, 67% aceitariam disponibilizar suas preferências e localização com apps de mensagens e filmes/streaming; 59%, com serviços de compartilhamento de vídeos; 78%, com apps de mobilidade; e 41%, com apps de serviços públicos.

Fonte: Here Technologies & The Privacy Paradox