Home > Política > Por equívoco, governo veta liberação de dinheiro para órgãos públicos

Por equívoco, governo veta liberação de dinheiro para órgãos públicos

Por um equívoco dos articuladores do governo, senadores descumpriram um acordo firmado junto à Câmara e mantiveram um veto que liberaria dinheiro para órgãos públicos. Lideranças justificaram que teve confusão na distribuição das cédulas para votação.


O acordo era para que fossem derrubados 202 dispositivos da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), que dá as bases para o orçamento da União. Entretanto, foram derrubados apenas três dispositivos e 199 foram mantidos.


De acordo com justificativa do líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), teve erro na distribuição da orientação de votos para os senadores. Durante a sessão, foram incorporados novos itens que seriam analisados em uma cédula de votação, e os senadores não tinham a orientação correta sobre o que votar a favor e contra.


Para tentar resolver o impasse, o governo se comprometeu a enviar um PLN (projeto para liberar crédito) e permitir o remanejamento de recursos que estariam garantidos com a derrubada do veto da LDO. A nova sessão para votar o PLN está marcada para terça-feira (3), às 11h.


“Nosso trabalho tem sido de respeito irrestrito aos acordos. A liderança do governo tem construído de maneira paralela algumas correções de formulação legislativa junto ao Palácio do Planalto. Aqui o clima é de restabelecimento do acordo de lideranças”, afirmou Gomes.


O líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), também acredita que não existiu má-fé, mas que a quebra do acordo se deu por uma confusão no momento do voto.


Além do desentendimento na votação de hoje, o governo Jair Bolsonaro (sem partido) enfrenta resistências em votações no Congresso. Isso porque não cumpriu o acordo para liberar emendas aos parlamentares que votaram pela reforma da Previdência.


Reforma eleitoral


O Congresso derrubou sete vetos de Bolsonaro referente a minirreforma eleitoral, que flexibiliza o uso de recursos públicos. Foi mantido apenas um veto, que trata sobre a prestação de contas eleitorais. Esse veto determina que os partidos apenas poderão prestar contas a partir do sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Pela lei original, existia flexibilização para usar outros sistemas que não o do governo.


Ainda precisam ser analisados 37 itens vetados por Bolsonaro sobre retomada de propaganda partidária na TV e mudanças sobre o pagamento de multas na Justiça Eleitoral.


A articulação de siglas do centro e da oposição é para elevar o fundo eleitoral (verba pública para financiamento partidário) de R$ 2,5 bilhões previstos para o próximo ano para R$ 4 bilhões. Essa mudança se daria diretamente pelo orçamento federal, independentemente dos itens vetados de Bolsonaro.


Fonte: Uol

You may also like
Dia do Rodeio é instituído no Dia Mundial dos Animais por Bolsonaro
Casamentos homoafetivos saltam de 61,7% no Brasil após eleição de Bolsonaro
Eduardo Bolsonaro e outros 17 parlamentares são punidos pelo PSL
Novo presidente da Funarte associa Rock ao aborto e satanismo e critica o atual sertanejo universitário