Destaque Entrevista Luca Moreira

Priscila Ubba fala sobre jornada como atriz

Priscila Ubba fala sobre jornada como atriz

Conhecida nacionalmente pelo público da TV brasileira, a artista nata, Priscila Ubba já tem experiência de sobra na sua carreira. Passando por vários sucessos que marcaram e quebraram as expectativas da teledramaturgia como “A Terra Prometida” e o grande sucesso que provocou a emoção de milhões, “Os Dez Mandamentos” da Rede Record.

Durante esse seu percurso de mais de 10 anos de trabalho, ela transitou entre o teatro em São Paulo e realizou aqui no Rio seus primeiros passos na TV a cabo e no cinema.

Tendo integrado um grande sucesso da dramaturgia “Os Dez Mandamentos”. Como foi a preparação para interpretar uma personagem que teve uma participação em um momento tão importante assim da história?

Foi realizada uma preparação na própria emissora com o elenco direcionado a cada núcleo para ambientarmos as atmosferas que demandavam a trama; além disso, sempre realizo uma pesquisa própria para os meus personagens, sou uma pesquisadora fugaz, rs me deleito com a fase de pesquisa e “encontro do personagem”, desfruto e me aprofundo sempre, pois acredito em um reflexo direto no trabalho final.

Depois da novela, você também retornou o mesmo personagem no filme “Os Dez Mandamentos – O Filme”. Como foi reviver a história, dessa vez na versão cinematográfica?

Na realidade o longa foi uma adaptação da novela.“Quando gravávamos a novela não se pensava no filme, posteriormente selecionaram algumas “cenas chaves” da trama e de grande repercussão e foi editada para telona, tendo somente algumas cenas novas que seriam gancho para a próxima trama, a novela” A TERRA PROMETIDA”.

O que muita gente não sabe bem, é que você é de Minas Gerais. Como foi essa transição de Minas para o Rio?

Na realidade sai de Minas Gerais com 16 anos para estudar, minha cidade é muito pequena, é interior de Minas, belíssima e de grandes riquezas, mas não me oferecia tudo que desejava alcançar, aí decidi enfrentar o mundo (risos).

Mudei para Juiz de Fora- MG onde comecei fazendo teatro, de lá fui para São Paulo, depois fiz parte da minha faculdade em Madrid e hoje resido no Rio de Janeiro devido à profissão.

Hoje em dia, é bastante comum atores entrando em polêmicas por causa de produtores e de manifestações, assim como houve mais recentemente protesto por parte dos atores de publicidade por aumento de cachê no ano passado. Como você enxerga a sua profissão nos dias de hoje? Diria que é uma área desafiadora?

Desafiadora sempre foi e sempre será, estamos dizendo sobre ARTE, quebra de paradigmas, questionamentos, esse é o papel fundamental da ARTE e de nós artistas, questionar, inquietar o publico e atravessar as almas.

E podemos dizer que nos dias atuais em um país como o Brasil as circunstancias são deprimentes, mas vejo um viés positivo nesse momento, acredito que acontecerá uma seleção natural e mais verdadeira, só suportará quem realmente for do ramo e tiver a necessidade visceral desse ofício. Só a arte salva!

Aos 16 anos, quando me mudei para Juiz de Fora – MG, abriram meus horizontes e tive plena convicção que esse era o meu oficio. Desde pequena estava sempre envolvida com arte no geral, minha primeira válvula artística foi aos 6 anos pintando e desenhando, depois dança, moda, cenografia, figurino… etc.

Tudo que envolve criatividade me encanta e tenho gana a desenvolver, só que a criação de um personagem e de uma “liberdade de criação” e envolvimento que ate então não tinha experimentado e encontrei meu lugar.

(Foto: Divulgação / A.Grain Conteúdo)

Exemplo de uma verdadeira artista, Priscila Uba já esteve em vários cursos como a Cia Peter Brook, Wolf Maya, Fátima Toledo e outros. Em que você acha que essa formação lhe ajudou?

E necessário estudar sempre!
Eu acredito que ator pronto é ator morto, sempre temos que estar em movimento e evolução, espelhamos nossa sociedade, circunstâncias e o mais raro e belo desse oficio, o ser humano, não a limite nem fronteiras, sempre novas descobertas.

Como você considera a sua relação com seus fãs? O que você acha que eles representam hoje na sua vida?

Fãs são seres iluminados que brotam do nada, (risos)… Que dedicação, é amor refletido, é lindo, visceral e um reflexo direto da nossa arte, pulsa o coração.

Deixe uma mensagem.

“A arte existe para que a realidade não nos destrua.” Friedrich Nietzsche.

 

Sobre o autor | Website

Luca Rocha Moreira, nascido na manhã de 14 de maio, 1998 na cidade de Niterói, filho de Lucia Maria Rocha e Luiz Carlos Falcão Moreira, um designer gráfico que morreu em 2012 vítima de câncer de pulmão. Em 2008, ele foi morar com sua mãe e seu padrasto, o veterinário Vladimir Fernandes, que já era pai de seu irmão Eduardo Rocha, e que alguns anos depois adotou sua irmã mais nova, Camila, em Macapá. Além desses dois, Luca também é irmão de Leonardo e Alexandre Tristão. Seu avô materno era comissário de bordo da Varig, falida em 2006. Iniciou o ensino médio na Escola Técnica Estadual Henrique Lage, onde cursou o técnico integrado em engenharia naval. Em 2015, Moreira começou a fazer um curso de formação de atores profissionais, fazendo testes em aula como ''Navalha na Carne'' do autor Plínio Marcos. Mas depois de cinco meses de treinamento, ele começou a ter problemas com sua classe, pois incomodou seus colegas por não serem tão fáceis de incorporar seus personagens na primeira vez, o que o deprimiu. Ele teve aulas com o professor e ator profissional Alécio Abdon, que participou de algumas novelas da Rede Globo. Sua base de estudos foi através do dramaturgo russo Constantin Stanislavski. Atualmente estudando jornalismo na Universidade Estácio de Sá, iniciou seus estudos acadêmicos em março de 2018, antigamente no curso de publicidade, mais no segundo período, decidiu se mudar para o jornalismo, analisando contato e sua facilidade na área. Lá ele também participou de projetos estudantis, como ter entrado como editor do principal jornal interno da faculdade, ''O Estaciente''. Ali publicou vários artigos que escreveu, como os de Rodrigo Tardelli e Babi Xavier. Em seu tempo no jornal interno da universidade, ele teve a oportunidade de experimentar outros assuntos fora do mundo artístico e celebridades, como as eleições presidenciais no Brasil em 2018, onde ele foi responsável por escrever sobre os quatro candidatos que lideravam a presidência: Jair Bolsonaro, Marina Silva, Geraldo Alckmin e Ciro Gomes. Em março de 2016, Luca foi descoberto em sua página no Facebook, no qual veio a mudar de assunto várias vezes, escrevendo assuntos como esportes, nutrição e por fim, sobre cultura, por esse assunto, Moreira foi descoberto por uma produtora de teatro profissional localizada na Barra da Tijuca, onde foi convidado para fazer seu primeiro estágio, ainda cursando o ensino médio. Seis meses depois, fez um acordo para divulgar o filme ''O Grande Circo Místico'', dirigido pelo premiado diretor Cacá Diegues, que por causa de um problema, o fez renunciar a sua posição. Naquela época, Luca conhecia seus primeiros contatos com o meio profissional, como a atriz Rayssa Bratillieri, que mais tarde fez a personagem Pérola Mantovani em “Malhação – Vidas Brasileiras”. Primo dos atores Giulliana Succine e Miguel Rivas, sempre ajudou Giulliana com sua assessoria, que em dezembro de 2017, se juntou a Esdras Ribeiro, que na época possuía um conjunto de sites, onde ele começou a escrever seus primeiros assuntos como colunista. Sua primeira tentativa de escrever uma entrevista foi com o ator Pedro Carvalho, que estava no auge de sua carreira com a novela ''Escrava Mãe'', exibida pela Record TV. Seu primeiro artigo profissional foi lançado no dia 30 de janeiro de 2017, quando conheceu a atriz Malu Falangola, que estava na Rede Globo naquela época. Após uma curta temporada como o extinto ''Almanaque Mídia'', ele recebeu a infeliz notícia de que o portal estaria fechando devido a problemas de gestão. Uma semana depois, Daniel Neblina, um jornalista de Brasília que já estava o observando, o chamou para entrar no ”RegistroPOP'', onde ele teve o reconhecimento de seu trabalho decolando com artistas como Adriano Alves, Larissa Manoela, Thomaz Costa, Larissa Maciel, Sophia Abrahão e Lua Blanco. Em 11 de maio de 2018, depois de ficar mais de um ano na redação, ele já havia feito história em mais de 9 portais diferentes. Em março de 2018, iniciou sua carreira internacional, quando entrevistou a cantora americana Megan Nicole, de quem gostava desde a infância. Um tempo depois veio a atriz Violett Beane, estrela da série ''The Flash''. Cinco meses depois da entrevista com Beane, conheceu através do Facebook, a atriz Chloe Lang, que entre os anos de 2013 e 2014, interpretou a personagem Stephanie Meanswell na série infantil LazyTown, exibida pelo Discovery Kids, indo ao ar em setembro daquele ano.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.